domingo, fevereiro 25, 2007

Pressão alta.

De vez em quando lá dou com pessoas que olham de lado para quem, como eu, confessa abertamente que adora futebol.
Parece coisa menos merecedora de respeito, às vezes parece que, para algumas pessoas, gostar de futebol é ser-se, obrigatória e muito naturalmente, uma criatura abrutalhada, desprovida de critérios de estética ou de discernimento para saber reconhecer o que é, ou pode ser, uma arte.
Eu sempre amei o futebol. Lembro-me que quando não havia ninguém na “praceta” ou no “gradeamento” (como chamavamos a um parque de estacionamento nas traseiras da minha casa) eu ia sozinho jogar. Baliza a baliza, para trás e para a frente, sozinho sim, guarda-redes, defesas, médios e avançados; porque nessa noite o Benfica ia jogar ao pelado do Penafiel e eu ia…”ensaiar”.
Jogava sozinho e relatava baixinho. Com uma bola de plástico a imitar as “bolas oficiais.”
E balizas com duas pedras a fazer de postes.
Desde muito pequeno que, para mim, só havia um brinquedo a sério: uma bola. Não preciso de mais nada.
Parti um dedo a jogar á bola e, durante umas horas, apesar das dores, não disse a ninguém, não fossem proibír-me de jogar. Até que a minha professora primária me encontrou com o dedo inchadíssimo e me levou ao Hospital de Cascais.
Antes de sair do Hospital, lembro-me do enfermeiro se rir quando lhe perguntei se aquilo (uma tala no dedo) queria dizer que eu não podia jogar à bola. Ele riu-se, não percebeu que eu não podia estar a falar mais a sério.
E os cromos, colados com cola cisne?
A Bola a 7$50 , e mais tarde a 12$50. À 2ª, 5ª e Sábado. E o Record ao Domingo, à 3ª e á 6ª?
O maravilhoso Off Side (Magazine á 6ª, Match à 2ª ou 3ª não me lembro bem). Ler tudo.
As gigantescas crónicas dos jogos no jornal A Bola então eram todo um ritual de prazer. Carlos Pinhão, Homero Serpa, Vitor Santos, Cruz dos Santos, Aurélio Márcio. Tudo em formato de jornal gigantesco, em tinta que ficava nos dedos. A crónica do Benfica-Amora continua na página 14.
O Futebol é, sim, muito importante para mim, claro que é, desde sempre.
Lembro-me que ia ao futebol com o meu pai, mas muito mais com amigos do meu pai que concordavam em levar-me. Assim vi todos os jogos do Benfica europeu de 1983 na Taça UEFA, na Luz. Na final perdida, fogo de artifício por acender no topo sul, sai a chorar. Sim, a chorar. Tinha 12 anos e aquilo era impossível, não podia estar a acontecer. Foi aliás a época em que vi o melhor Benfica da minha vida. Bento, Pietra, Humberto Coelho, Bastos Lopes, Alvaro, Veloso, Stromberg, Carlos Manuel, Diamantino, João Alves, José Luis, Shéu, Néné, Filipovic, Chalana…
Um arraso, com Erickson no banco, a revolucionar tudo, tranquilamente.
Um dia vi Portugal ganhar 2-0 à Polónia, na Luz, uns meses depois da Polónia ter sido 3ª no Mundial de Espanha. “Nunca mais vou ser o Boniek” disse eu aos colegas da escola no dia seguinte, todo contente.
Não viveria sem futebol. É algo que está em mim, na essência do que sou, e sim, se num zapping passar por um jogo, digamos…entre as selecções do Qatar e do Bangladesh, é certo que fico a ver. Posso não ver tudo com certeza, mas não passo logo à frente…é sempre: ora deixa cá ver isto um bocadinho…
Lembro-me bem de algumas idas á bola bem amargas…levar 7-1 do Sporting, ser eliminado pelos toscos do Dukla de Praga, perder 1-4 com o Liverpool, perder as meias finais do campeonato da Preparatória Conde de Oeiras num penalti que não foi…(não foi mesmo!)
Quem gosta de futebol a sério, sim, fica com uma certa azia quando perde.
Mas felizmente há o contrário. Quando o nosso clube ganha…Quando se é campeão. Meu Deus quando se é campeão....
Quando se joga bem numa futebolada com os amigos. Quando se faz um grande golo. Quando a bola entra! Um golo da nossa equipa, em qualquer jogo, mas sobretudo num jogo decisivo. Uma vitória da nossa selecção. O cantar o hino antes do jogo, e naqueles minutos da “Portuguesa” pára tudo, não quero saber de mais nada, vai jogar Portugal e está a tocar o hino.
Quando perdemos a final do Euro 2004 apanhei um dos maiores desgostos futebolísticos da minha vida. Até porque quando se perde porque os outros são melhores, ok, custa mas passa rápido. Agora naquele dia doeu por tudo: era em casa, a nossa equipa era melhor, era a maior das oportunidades de sermos realmente grandes e foi uma azelhice. Nesse dia recordei o longínquo Benfica-Anderlecht de 1983. E quase chorei, sim.
O Futebol tem alias muito de vísceral, de físico, orgânico. E permite uma liberdade de expressão, um descontrole emocional, um escape ás regras sociais aceites em todos os outros minutos da vida menos naqueles 90 que é muito libertador!
Lembrei-me de refletir um bocadinho sobre o que é o futebol para mim, depois de ter visto o DVD que encomendei há mais de 3 meses (esteve esgotado, mas chegou 6ª, via amazon) com os melhores momentos da Premier League.
Ao ver um golo do Bergkamp, de uma elegância e de um nível de genialidade que só quem adora futebol consegue reconhecer como tal…pensei: é por isto. É que não há nada como isto. É magia.
Revi esse golo uma meia dúzia de vezes, em contemplação do divino revelado numa finta e num remate de pé direito.
I love this game? É pá, sim.

58 Comments:

At 12:42 da manhã, Blogger patrica said...

eu fiz a colecção de fichas do onze mundial do Itália 90! Ainda as tenho. ;-)

 
At 12:54 da manhã, Blogger L_e_n_a said...

Olá Pedro!
Parabéns pelo teu texto de hoje. Está fantástico! Descreveste na perfeição aquilo que os "doentes" do futebol sentem... :) E acho que não devemos ter vergonha de chorar quando a nossa equipa perde! O amor à arte tem de ser um amor com sentimento!
Gostei... até deu para arrepiar!
Bjs

 
At 12:59 da manhã, Blogger Romeu said...

Tudo isto porque o Sporting perdeu 2 pontos? Será isso?

I'm joking. Está excelente a descrição daquele que é só o melhor desporto do mundo.

Abraço

 
At 1:42 da manhã, Blogger T-Rex said...

Muito bom, p.
O futebol é isto tudo. E muito mais.
Faz-nos chorar de alegria numas ocasiões, faz-nos chorar de tristeza noutras.
O que é certo é que por mais tristes que fiquemos por um (ou vários) resultados menos positivos, não conseguimos deixar de gostar. Lá dizia o "reclamo": Quem gosta, gosta sempre!

E sim, parecendo "pouco racional", o choro motivado por um mero jogo de futebol também faz parte da sua magia, do seu encanto. Ainda no EURO 2004 e no ALEMANHA 2006...

PS:Por falar em 1983 e Taça UEFA, este senhor está lá por casa esta semana. ;)

Um abraço.

Vedeta ou Marreta ?

 
At 2:24 da manhã, Blogger joao said...

Grande Pedro, este texto está simplesmente fantástico, ainda me lembro quando apresentavas o CC depois de uma derrota do nosso Benfica, o pessoal a gozar contigo e tu rematavas com as tuas grandes frases " eu não ligo muito ao futebol" e "o Benfica não perdeu, o Benfica apenas nao ganhou". Obrigado por manteres este blog numa referencia para mim e para muitas pessoas que gostam de ti.

 
At 2:30 da manhã, Blogger Tino_de_Rans said...

São textos destes que me fazem vir quase todos os dias a este blog.

Tira lá da gaveta o livro que andas a escrever e tenta editar isso, eu compro.

 
At 2:43 da manhã, Blogger MYA said...

Até quem não ame verdadeiramente o futebol sente a paixão.

 
At 6:13 da manhã, Blogger quima said...

Só não me parece que tu tivesses 9 anos em 1983... É que não me parece mesmo! Faz lá as contas outra vez!

 
At 10:23 da manhã, Blogger Menphis_Child said...

Só uma pergunta : o que sonhas mais Benfica ganhar a Liga dos Campeões ou Portugal ser campeão do mundo/europeu?

 
At 10:30 da manhã, Blogger mourinhe said...

pedro,

eu sei do que falas... eu fazia a mesma coisa. balizas de pedras, bolas de qualquer coisa, relato baixinho, bem como chalana e mats magnusson... sei do que falas...

 
At 11:36 da manhã, Blogger Milharinha said...

Com as obvias diferenças, esta descrição cola-se em muito à minha infância e adolescência. Não conseguiria descrever melhor esse meu tempo. Com destaque para o jogar sozinho a ensaiar o jogo que o benfica iria jogar a seguir, se eu o fizesse bem, então o Benfica ganhava com certeza.
Obrigado

 
At 12:21 da tarde, Blogger Armador said...

Então se fosses portista vê o que já tinhas festejado, por exemplo o meu ultimo jogo nas Antas foi nas meias finais da UEFA contra a Lázio, foi a melhor exibição que vi alguma vez fazer uma equipa nacional em competições europeias. Devias ter nascido em 1950 para apanhares a época de ouro do benfica, agora já passou e não volta.

 
At 1:51 da tarde, Blogger luciobrazuca said...

o futebol é isto mesmo emoção,faz-nos chorar de alegria numas ocasiões,faz-nos chorar de tristeza noutras.eu lá no meu terceiro mundo corria para chegar em casa para ver na tv Ituano X Mogin Mirim campeonato paulista,eu morava a poucos km só 1500km.eu torcia para um tal de Benfica que jogava o meu amigo Valdo que foi do meu Gremio para Portugal isto é futebol ,torcer para o Boavista por que nunca tinha ganho um titulo isto é futebol.Hum abraço desculpa os erros de portugues.

 
At 2:17 da tarde, Blogger Miguel said...

O futebol é inexplicável. A paixão dos adeptos pelo desporto é incontrolável. Falo por mim. Se estou a fazer um zapping e vejo um jogo de futebol a ser transmitido paro logo por ali. Se vejo um programa sobre futebol, igualmente.

Ando viciado na bola. O meu browser só conhece uns quantos sites. 90% deve ser de futebol. E agora estou a ver a ASRoma - Reggina, o que me interessa o campeonato italiano? Um vício no esférico incontrolável. Paro de estudar para ver a bola, ou seja, o futebol é a prioridade. Mesmo que seja um benfica vs qq coisa.. perco tempo até para ver o teu clube jogar!

Futebol é a primeira paixão das crianças, que vai-se mantendo ao longo do tempo, para sempre.

A bola também é um dos brinquedos favoritos, assim como o PC... Computador não é bola mas a internet vai lá dar.

Quando falaste na "Portuguesa" até me arrepiei. As maiores irritações e saltos em que me torcia todo foi no Euro. Neste último Mundial no Portugal vs Holanda até tive de vir para casa ver o jogo, já que na casa dos vizinhos não conseguia ouvir mais nenhuma conversa. Aqui estava concentrado e a rezar para que Portugal passasse. Gritar feito maluco em casa sozinho... PORTUGAL!

Melhores momentos: Portugal vs Inglaterra [04 e 06], Portugal vs Holanda [04 e 06].

Campanha do Sporting na Taça UEFA - Foi lindo... a reviravolta com o Newcastle, a melhor derrota (vitória!) de sempre em Alkmaar.. Fim triste. Portugal parado! Na final, ao intervalo não via movimento nenhum nas ruas, foi pena. SPORTING SEMPRE!!

Saudações Leoninas!
"I love this game!" ;)

 
At 2:24 da tarde, Blogger FM said...

Grande post. Pedro, esse golo de que falas foi este http://www.youtube.com/watch?v=42zBHtD2XYc ?

 
At 2:26 da tarde, Blogger Crezia said...

E fazes tu muito bem. Sendo mulher, conheço esses olhares. Embora seja muito discreta quanto a isto. Só quem me conhece bem (na blogosfera, sob um nick sou menos discreta, admito) sabe como gosto. Há uns dias enviaram-me um video com 10 dos mlehores golos da premier league de 97 ou assim. Maravilhos. Dois golos do Bergkamp, qual o melhor. Um do Paolo Di Canio quase sem ângulo. Vi e revi. Guardei. Gosto de rever essas coisas e não se explica.

 
At 2:34 da tarde, Blogger P said...

fm,

Sim é esse mesmo. Não há palavras!

Quima,

Tens razão, já corriji.

Menphis Child.

Deixa ver...Portugal campeão do Mundo e SLB campeão da Europa. :-)

 
At 2:55 da tarde, Blogger Armador said...

Benfica ganhar a Liga dos Campeões? LOLOLOLOL, no dia de são nunca, a Liga dos campeões é para quem pode e não para quem quer.

 
At 4:02 da tarde, Blogger MS said...

O amor ao futebol!! Com eu compreendo. Sinto tudo o que escreveste. As mesmas emoções, a mesma aflição quando a bola não entra, as mesmas lágrimas que já chorei por o meu clube perder, e todas as que derramei quando os gregos nos tornaram vice campeoes da europa.

Sou rapariga e sempre assumi a minha paixão pelo futebol. Não é a paixão que se traduz ns gritos histéricos de meninas de clake. É mesmo aquela paixão que me fez sentar tantas vezes ao pé do meu pai, a aprender as regras do jogo que mais me apaixona. Brincava na rua com a bola nos pés, fingia que marcava num kkl estádio do mundo. Senti e sinto dentro de mim qualquer coisa que acaba por não se conseguir explicar.

E não. Quem ama o futebol não tem que ser bruto, desprovido de educação, intelectualmente inferior. Eu não sou nada disso e amo futebol.

Adorei o texto. Lindo mesmo.

beijinho**

 
At 4:04 da tarde, Blogger RuFy said...

Texto fantástico. Identifico-me totalmente nele.

Provavelmente já viste, mas caso não tenhas visto, recomendo este vídeo do Simão após o jogo com o Dínamo:

http://www.youtube.com/watch?v=0e3sEUEOW9Q

 
At 4:09 da tarde, Blogger JAAS said...

confesso que nunca fui um fã de futebol, mas tenho razões "larger than life" para tal.

quando era mas novo, também jogava num pequeno campo ao pé da casa da minha avó, com um colega meu (que adorava jogar). Pois, infelizmente eu era sempre o guarda-redes que defende as bolas com a cara (para não mencionar outras partes do corpo consideravelmente mais frágeis e com piores resultados, sim estou a falar das jóias da família). e o mesmo acontecia-me nas aulas de educação física...

por isso, nunca quis grande coisa com o desporto... ou qualquer actividade que envolvesse esféricos. ainda hoje olho constantemente por cima do ombro porque penso que estou a ser seguido por uma bola de futebol...

mas respeito quem ama o desporto, claro. =)

 
At 6:12 da tarde, Blogger SusumuBenfica said...

È umas das coisas que me faz confusão, porque será que se pode afirmar paixão por outras modalidades e ser-se reconhecido como um desportista e de uma cultura fabulosa e quando toca a futebol são uma cambada de hooligans que não sabem o que é desporto.
Excelente texto. e Viva o futebol!

 
At 8:44 da tarde, Blogger BlueAngel said...

Grande texto, Pedro! Não sendo fanática pelo futebol percebo perfeitamente aquilo que dizes. Mas quando falaste n'"A Portuguesa" arrepiei-me até ao último fio de cabelo. Quando vou ver a selecção fico sempre emocionada no momento do hino e vibro em cada momento. Compreendo perfeitamente o sentimento que descreves relativamente ao Euro e ao Mundial. Foram momentos duros. Já agora Viva o Benfica!!! Não posso terminar sem perguntar: para quando o livro teu para eu comprar e ler?

 
At 9:22 da tarde, Blogger Beguinha said...

As paixões são sentimentos sem explicação, porque não a exigem e acabam sempre por dizer muito pouco daquilo que realmente se sente. Grande desabafo e muito bem escrito. :))

 
At 9:24 da tarde, Blogger Hugo said...

Será que eu li bem?
Uma das referências da tua infância era o pelado do Penafiel? :) LOL
Para um adepto do Penafiel é uma honra enorme! Mas por outro lado podias utilizar o Penafiel para dar altas goleadas e isso já não é tão bom assim...isto é como a publicidade, boa ou má o que é preciso é que se fale nela.

 
At 10:08 da tarde, Blogger Miguel said...

txiiiiii' esse golo do Bergkamp! Enorme!

Que é feito do Pires?

 
At 10:21 da tarde, Blogger Joaquim Varela said...

Mas, carissimo, o Anderlecht tinha grande equipa. Também lá estive e não saí de lá muito, muito desgostoso. Medianamente desgostoso digamos. Os belgas, na altura eram, seguramente, uma das melhores equipas europeias (assim como a nossa, que foi basicamente o melhor Benfica que algum dia vi jogar). Era uma espécie de O.Lyon dos anos 80. E mau, mau, foi a derrota na 1ª mão por 1-0 (um resultado sempre tramado), com Diamantino a falhar o infalhável a 10 mins do fim (atirou à barra, sem ninguém à sua frente, a meio da pequena área), que faria o empate a 1 golo e aí outro galo cantaria, por certo.

Esse 1-4 do Liverpool também fui ver e no final aplaudi os ingleses, que deram um dos maiores banhos de futebol que já vi o Benfica levar em casa (mesmo com uma frangada do Bento à mistura).

Os 7-1 nunca ouvi falar (eu no estádio só vi 4, pelo que desconheço qual o resultado final).

No entanto, nada, mas mesmo nada, me retirou o puro gozo, de no meio da mãe de todas as molhas futebolisticas, ter visto a malta espetar lá meia dúzia à lagartagem, que já fazia "olés" aos 10 minutos de jogo.

Esse e o que vi lá também, com o Geovanni a marcar aos 89 mins...

E um outro com 0-1 aos 85 mins, por Néné...

Outro que vencemos lá por 0-2 ao intervalo, em que já éramos campeões.

A selecção dispenso. Sou verdadeiramente clubista. Prefiro que a selecção faça boa figura, mas nunca me empolgou, nem 30% do que o meu clube faz. Ao vivo acho que só vi na vida, um célebre Portugal-URSS (1-0) de apuramento para o Euro-84. E dúvido que algum dia vá ver ao vivo mais algum jogo destes.

Só há um tipo de jogos que eu não tenho pachorra para ver. Os do FCP. E porquê? Porque, para além de ser um clube pelo qual tenho um ódio de morte ( e verdadeiramente doentio, há que assumi-lo), ainda há o chamado factor C, que quando é necessário aparece sempre, como foi o caso esta noite. E isto há mais de 30 anos. Haja pachorra... Só não vê quem não quer. E é por causa disso mesmo, que deixei de pagar bilhetes para o futebol, há mais de 14 anos. E dúvido que algum dia volte a contribuir para esses verdadeiros chulos, que são a grande maioria dos dirigentes dos clubes e da Liga/FPF. É triste, mas este país a isso me obrigou. Vou , de quando em vez ao futebol, quando me arrajnam uns convites. E é preciso que não seja um "interessantissimo" Benfica-D. Aves.

 
At 10:24 da tarde, Blogger Joaquim Varela said...

E futebol feminino, pessoalmente também dispenso. As míudas raramente são jeitosas e basicamente aquilo é muito mortiço.

 
At 10:40 da tarde, Blogger soultaker [23] said...

Sabes que eu devo ser igual a ti na minha geração? As mesmas emoções, também adorava até há 2 anos atrás, mais ou menos, jogar futebol contra a parede de casa do meu avô, sozinho.

Quando não jogava pegava numas folhas e criava torneios com os melhores clubes do mundo, sempre com o Benfica a acabar em 1º e com o melhor marcador a ser um jogador do Benfica.

A sério, é impossível explicar todas as emoções sentidas durante o Euro 2004 todo e no jogo da selecção contra os 'bifes' no mundial de 06.

E sim, eu chorei mesmo quando Portugal perdeu contra a Grécia... foi uma sensação de injustiça e de vazio. Na altura fartava-me de dizer que o Santana Lopes e a Grécia tinham feito o mesmo para alcançar os lugares em que estavam: nada.

Fica bem ;) Ah e se não te importares eu faço um copy paste deste teu texto para o meu blog, amanhã... ;) Num post chamado de 'Hino ao futebol', que vai começar uma série deles consecutivos, aqui: http://ayer-s.blogspot.com/

 
At 10:41 da tarde, Blogger Bakero said...

Excelente texto.

Se és saudoso dos grandes jogos do Benfica, aconselho-te o meu blog: www.memoriagloriosa.blogspot.com, a memória do Benfica em video.
O 2-0 do César Brito, o 3-0 ao Sporting com o Mourinho, o 2-1 à Juventus em 93, o 5-0 ao Dinamo de Kiev em 92, enfim estão lá muitos jogos em video, e mais continuarão a aparecer ;-)

 
At 10:41 da tarde, Blogger Miga said...

Está, de facto, uma descrição perfeita do que é o desporto rei. Muito boa gente que pensa que o futebol se resume a 22 tipos a correr atrás de uma bola, mudaria de opinião a ler este texto.

Sou também benfiquista, e quando estou no estádio a assistir aos jogos do nosso Glorioso, tenho momentos em que esqueço tudo cá fora, seja a festejar um golo, a deitar as mãos à cabeça por uma oportunidade flagrante desperdiçada, ou ainda, a chamar nomes ao árbitro...

O futebol tem, na realidade, essa ambiguidade de nos dar alegrias enormes e desilusões igualmente grandes. No fundo, transmite um sem número de emoções!

 
At 10:44 da tarde, Blogger soultaker [23] said...

Ah! e comentar aquele Arsenal - Chelsea deve ter sido muito bom, excepto até à parte do pontapé no Terry... Bom trabalho!

 
At 10:45 da tarde, Blogger Armador said...

Joaquim Varela e os benefícios ao benfica durante o Estado Novo? foram dezenas de anos a serem levados ao colo pelo antigo regime. Por alguma razão o melhor clube português de longe desde o 25 Abril cá dentro e lá for) não é o Benfica, acabou a mama dos fascistas acabaram os tricampeonatos e dominio do futebol nacional.

 
At 10:52 da tarde, Blogger Taberneiro said...

18 de Maio de 1983. foi nessa data que eu nasci. e foi nessa data quer perdemos a Uefa :(

 
At 10:59 da tarde, Blogger Lampião do Norte said...

Também estive na Luz, nessa 2ª mão da final da UEFA e tal como tu não consegui conter as lágrimas no final. Excelente texto, que retrata quase fielmente aquilo que, também eu, passei na minha infância e a emoção que provoca o futebol. Ao lê-lo vieram-me à memória muitos momentos que guardarei com eterna saudade.

Um Abraço!

P.S.- Se não te importares, gostava de fazer um post no meu blog com um link para este texto.

 
At 12:42 da manhã, Blogger Menphis_Child said...

essa não vale..era uma dos dois...lol

 
At 3:30 da manhã, Blogger Bruno Miguel Dias said...

FUTEBOL É UM MODO DE VIDA...

 
At 9:32 da manhã, Blogger Pedro said...

Porque nao escreves qualquer coisa como o Fever Pitch do Nick Hornby?
Um abraco de Bath, UK.

 
At 11:08 da manhã, Blogger wednesday said...

Devo dizer que está sublime! Sem dúvida um texto em jeito de crónica que prende do início ao fim a atenção de qualquer leitor... E um tema que não fica indiferente ao português. De facto ou se adora ou se odeia, mas está sempre lá: o futebol. Se há coisas que o nosso país sabe fazer bem e se há coisas que animam os tugas, o futebol deve estar concerteza em 1º lugar! :)

 
At 11:36 da manhã, Blogger N.M said...

Este texto esta LINDO!!Também adoro o desporto rei...o futebol!!

 
At 12:10 da tarde, Blogger Hermione said...

Fantástico texto consegues descrever algumas das emoções que quem gosta da bola sente perante o seu clube ou selecção.
Não chorei em 83 mas chorei de impotência em 88 no penaltie falhado do Veloso.
Acho que só me senti tão mal na final do Euro 2004 com a Grécia.
De resto o futebol faz parte da minha vida desde que eu me lembre.

Boa semana de trabalho,

 
At 5:56 da tarde, Blogger dezazucr said...

esse golo de bergkamp é mítico... dos golos que melhor recordo...

 
At 6:40 da tarde, Blogger Dive said...

Grande,grande post.Genial :)

 
At 11:00 da manhã, Blogger Salseira said...

Confesso que, exceptuando os jogos da selecção, eu não sou grande fã de futebol... mas um bom texto é sempre um bom texto... e este é, definitivamente, um excelente texto.

Cada um de nós tem as suas paixões e o importante é conseguir usufruir delas com intensidade!

 
At 11:50 da manhã, Blogger SoNosCredita said...

o Futebol consegue ser lindo, sim!
também joguei bastante e chorei algumas vezes... agora já nem tanto.

texto bonito.
mas uma paixão nunca se justifica, né?
:)

 
At 12:16 da tarde, Blogger Gledwood said...

Cumprimentos meu amigo novo! Que local colorido maravilhoso você tem aqui! Tais fotografias encantadoras! Eu faço um blog é chamado demasiado que gledwood2.blogspot.com e você é a maioria de boa vinda a visitar. É muito diferente a seu. É um blog secreto do diário que diz segredos e verdade que você não saberia. Eu olho para a frente a vê-lo lá. Todo o mais melhor agora. Gledwood.

 
At 3:36 da tarde, Blogger Sandra said...

Estou de acordo. É só (mas substituo o benfica pelo POOORTO).
Linda a tua mensagem.
:)

 
At 4:20 da tarde, Blogger João Paulo Cardoso said...

E se o planeta em que vivemos é redondo como uma bola, será por acaso?

E se este teu post é um dos três mais comentados este ano, no teu blog, será por acaso?

Não me parece.

O futebol (limpo e bem jogado)é uma das formas de celebrar a vida.
Tal como o sexo.
Ou uma mousse de chocolate.
Ou tudo junto.

http://oeldorado.blogspot.com/

 
At 6:46 da tarde, Blogger O Benfiquista Tresloucado said...

BRAVO.

 
At 11:03 da tarde, Blogger Lucas said...

Bem, nunca tinha visto no papel tão boa discrição da paixão que nos move...

Eu, como tu (e passando isto para a paixão clubística em particular), acreditamos, este ano será vingada a UEFA de 83. A ver vamos.

Finalmente, Bergkamp. Versus Newcastle. Um dos momentos mis bonitos que já vi. Milhares de vezes!!

 
At 12:17 da manhã, Blogger Gonçalo said...

Pedro Ribeiro...Grande Pedro, Grande Benfiquista!há muito que te admiro, há muito que andava para tentar comunicar contigo. Eis se não quando descubro o teu blog e levo de chapa com um extraordinário texto sobre a magia do futebol.
Enfim, teria muito mais para te dizer. Adoraria falar contigo em discurso directo. Nem sequer sei se chegarás a dar alguma atenção a este comment, mas mesmo assim, e porque não custa tentar, vou-te deixar o meu mail na esperança de que mais tarde possamos comunicar...

goncalomendes10@gmail.com

Aguardo noticias com expectativa)

Gonçalo Mendes (alguém que te admira imenso)

 
At 3:59 da tarde, Blogger Empregado de balcão said...

O futebol passa-me um bocado ao lado, mas não totalmente. Gosto de um jogo de vez em quando, digo palavrões, entusiasmo-me, grito, fico com o coração aos saltos, mas passa assim que os 90 minutos chegam ao fim.

Mas depois de ler o teu post só tenho uma coisa a dizer:
- Quem me dera que todos os adeptos de futebol vivessem o jogo como tu. Talvez assim muitos não achassem que a "bola" é violência em vez de paixão.

 
At 10:03 da manhã, Blogger Puss in Boots said...

Excelente texto...

Identifico-me.

Espectáculo!

 
At 2:14 da tarde, Blogger João Bizarro said...

Pedro, somos da mesma geração e é engraçado que eu também fazia isso, às vezes ia sozinho jogar à bola e fazia baixinho os relatos. Outras vezes iamos 2 ou 3 e faziamos os jogos da jornada. O nosso GR da altura era o pequeno GRANDE Galrinho Bento, da Golegã.E morava em Grândola e quando eles iam jogar ao Portimonense faziam sempre uma paragem na Vila Morena no café Granadeiro onde eu estava de papel e caneta.
"Bento, Pietra, Humberto Coelho, Bastos Lopes, Alvaro, Veloso, Stromberg, Carlos Manuel, Diamantino, João Alves, José Luis, Shéu, Néné, Filipovic, Chalana…
Um arraso, com Erickson no banco, a revolucionar tudo, tranquilamente." Sim. Tenho autografos deles todos.

Vi os 1-7 em Alvalade. Vi o jogo com o Dukla na Luz, vi na Luz o 1-4 com o Liverpool e chorei quando falamos a final da Taça das Taças porque perdemos com o Carl Zeiss Jena (0-2 fora; 1-0 em casa, golo do Reinaldo). E talvez o meu maior desgosto futebolistico tenha sido quando na penultima jornada os lagartos nos foram tirar um titulo à Luz, em 85/86, se não me engano.

 
At 6:31 da manhã, Blogger Bruno said...

Acabei agora de ver um vídeo com os melhores momentos do Eric Cantona, no Manchester United; pensei o mesmo que tu: é por isto!

 
At 10:23 da manhã, Blogger Pedro Fonseca said...

Pedro, espero que não te importes, mas passei para o meu blog o teu genial texto!

Não sendo benfiquista (Portista de coração), lembro-me de tanta coisa... lembro-me dos 5-0 em Bremen, dos 5-0 na Luz, das vitórias contra o Real Madrid, do domínio Mourinho (Panathinaikos, Lázio, Celtic, Marselha, Man. Utd, Lyon, Corunha, Mónaco), do Euro 1996,2000 e 2004, do Mundial da Coreia e da Alemanha, do Penta-Campeonato... mas também daqueles momentos mais tristes, como a meia final da LC contra o Barça, onde levamos aquele golão do Koeman, a eliminação contra o Artmedia, o Torreense, o Atlético, a final perdida do Euro2004, o azar que temos contra a França...

the king of all sports is football ;)

abraço, Pedretti

 
At 11:10 da manhã, Blogger MédioCriativo said...

Bolas Pedro!

Se eu soubesse, se eu conseguisse, tinha escrito isto.

Isto também sou eu!

Tudo isto! Sem tirar nem pôr!

Obrigado obrigado obrigado!

MC
gordovaiabaliza.blogspot.com

 
At 1:06 da manhã, Blogger playmaker_coimbra said...

Grande texto,Pedro.
Na altura em que os postes eram 2 pedras eu era o "Carlos Manuel"-Já agora o que é feito dele?

Mesmo depois de casar ainda consigo arranjar 2 noites para ir matar o vício no futsal... ali somos todos muito bons, para nós somos os maiores. Tenho lá amigos que jogam comigo há 20 anos...No fim vamos repôr o stock com umas minis.
Abraço

 

Enviar um comentário

<< Home