quarta-feira, agosto 02, 2006

Que tristeza.

Um grupo de jovens matou uma pessoa. Tinha, como foi confessado em tribunal, curiosidade em saber "como era uma homem com mamas". Agressões que levaram á morte das vitima, e cadáver profanado a seguir com requintes de uma maldade doentia. O acórdão reflecte que as instituições que acolhiam os jovens (11 estavam na Oficina de S. José) "não souberam" evitar os "maus comportamentos".
"A protecção falhou porque as instituições não sabem dar as bases e não podem largar estes jovens na rua. Alguns dos factos ocorreram ao fim-de-semana, altura em que muitos estariam à sua sorte."
Portanto, provado o crime o que é que a Justiça decide?
Cinco dos rapazes vão ser internados, exactamente numa instituição dessas que largam os miudos á sua sorte ao fim de semana, e que o tribunal reconhece não dar as bases, etc etc etc.
Internamento semiaberto por 11 meses, A dois menores foi aplicada a medida de acompanhamento educativo (?) por 12 meses.
Um grupo de jovens matou uma pessoa como gente grande. Foi julgada e condenada a estas penas. Este é um caso muito triste pela impunidade e também pela certeza de que, provavelmente, nenhuma instituição terá a capacidade de recuperar estes putos para a sociedade, jamais. E que eles estarão a esta hora a rir da sentença. "Já nos safemos" ou algo do género.
Mas não é assim. Este crime vai acompanhar sempre estes jovens, sempre. Era bom que houvesse maneira de recuperar neles a humanidade que devia existir em todos nós. Era bom que tivessem tido um momento de discernimento, antes da ignomínia. Era bom que fosse possível acreditar nas.."instituições". E que este crime servisse para fazer soar o alarme na sociedade portuguesa. A estupidez, a intolerãncia, a impunidade, a incompetência crescem, todos os dias. Assim crescesse a indignação, mas parece que não. Uma tristeza.

31 Comments:

At 10:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Concordo 100% ctg, mas ja estamos habituados a "ver" a justiça a não funcionar em Portugal!!
Q vai acontecer com o "caso Casa Pia" quando sair a sentença em 2019?!Provavelmente arquivado por falta de provas!
E o "caso Mateus", que foi o que foi e promete estar para durar?
Enfim, welcome to Portugal!!

 
At 10:08 da manhã, Blogger Andreia said...

Concordo plenamente Pedro, o que eles fizeram foi indescritível e fizeram-no sem remorso. Deviam ter sido julgados à luz da gravidade dos seus actos e não atendendo à sua idade. Depois do que fizeram não deveria haver qualquer atenuante. Até uma criança de 3 anos sabe quando está a fazer mal... Eles não merecem perdão na minha opinião, mostraram-se desprovidos de qualquer humanidade. E não há cenário de infância infeliz que justifique tanta crueldade e tanta frieza. É revoltante!

 
At 11:02 da manhã, Blogger Esquierda Mate said...

Já tentei varias vezes perceber o q passou na cabeça desses putos, e muito fracamente apenas chego a uma conclusão.
Por sorte e amor nunca irei entender, pq?

Porque simplesmente tive a sorte e o amor necessário de um família me criou e educou, penso francamente q a falta destes valores é o verdadeiro nexo causal destes comportamentos.

Estas crianças agem de acordo com a sua educação e experiência, é fácil perceber q as instituições responsáveis por estes diabinhos estão desactualizadas obsoletas e mal preparadas, quer a nível de equipamentos, quer a nível de pessoal (recordo a situação de maus tratos retractada por um jornalista radiofónico, em q o responsável em directo para radio esbofeteia um miúdo, enquanto nega qq tipo de agressão naquela instituição).

Não gosto da habitual atitude queixinhas dos portugueses sobre o inactividade dos responsáveis políticos, mas nestas situações penso que o próprio governo deveria intervir e inclusive ser responsabilizado pela sua incompetência, recordo q estes jovens serão um parte do nosso futuro e como tal as int. governamentais tem a obrigação de se responsabilizar por eles.

 
At 11:11 da manhã, Blogger aNa said...

muito bem escrito, Pedro!
sensível, como esperaria de ti.

 
At 12:15 da tarde, Blogger cathywoman said...

coitados com 16 anos não sabiam o que estavam a fazer... uma vergonha... e o castigo qual é afinal?? o que é que eles vão aprender quando a sentença terminar? que se pode continuar pq coitadinhos não têm 18 anos... vergonhoso!! gostava de saber se fosse familiar de alguma figura importante se a pena seria a mesma... fico na dúvida...Aliás só o facto de não ter sido considerado homicídio, já me deixa francamente mal...

 
At 12:18 da tarde, Anonymous Ungaro said...

Faço minhas as tuas palavras !!!!!!

 
At 12:51 da tarde, Anonymous manuela said...

Concordo contigo.
Mas que se ha-de fazer?
Fica bem :)

 
At 1:40 da tarde, Blogger Šonђo Ažu£ said...

Mas quem fala disso, fala de outras coisas. Em minha casa existe um problema com os tribunais relativamente a poder paternal. O meu irmão está privado de ver os filhos à meses e posso dizer que tão cedo a coisa não vai mudar.
O meu sobrinho mais pequeno tem um ano e ninguém o conhece e o próprio pai desde Dezembro que não vê.
O pai só serve para pagar. E direitos? São da mãe!
(vou ficar por aqui, porque teria muito mais a dizer).

Beijos

 
At 2:28 da tarde, Anonymous Uma Ana said...

E o juiz não disse, aquando da leitura da sentença, que se tinha tratado "de uma brincadeira de muito mau gosto"? BRINCADEIRA????? Brincamos, ou quê? O juiz pelos vistos não se portou melhor do que os miúdos! Que exemplo! Que impunidade! Com 11 ou 13 ou os anos que tivessem, sabiam o que estavam a fazer. E que o/a Gisberta estivesse já muito doente ou tivesse um aspecto "estranho" ou o que quer que fosse, nada explica o que aconteceu, nem a brandura da pena. Que é ridícula, é 'mais do mesmo'. Tudo isto é inqualificável, uma vergonha!
E se por acaso os miúdos (?) voltarem a cometer algum crime, vamos voltar a dizer que a culpa é das "instituições" (que costas largas...!) ou do juiz, que não teve mão forte para os punir convenientemente e ainda classificou o sucedido como "uma brincadeira"? O juiz é que devia ir preso... para a mesma cela dos miúdos!

 
At 2:58 da tarde, Blogger 20hinrrabarre said...

Nada de novo, nada de novo.

 
At 3:34 da tarde, Blogger polegar said...

lamento tudo isto. e lamento dizer, mas acho que o próprio juíz era homofóbico...
ou só fóbico.

 
At 4:02 da tarde, Blogger Mamã P. said...

Uma tristeza... mas acho que a polegar agora tocou num ponto pertinente. A própria sentença foi homofóbica!

 
At 5:11 da tarde, Blogger ChiCa said...

Olá!
Sou assistente social num Lar de Crianças e Jovens de regime semi aberto e acredito verdadeiramente no projecto onde trabalho!
Acredito que apesar de sermos uma "instituição", somos o melhor que muitas vezes os miudos têm e que por isso mesmo temos o privilégio de podermos fazer diferença!
Foi vergonhosa esta sentença... e sim, sem dúvida que os menores estão a rir-se..."a nós ninguém nos pode fazer nada"!
Foi vergonhosa porque não soube marcar a diferença, não soube fazer o seu papel, e os jovens não aprenderam nada!!! Nem eles, nem todos os outros que souberam desta história!!!
Mas não vale acusar as instituições! É um golpe baixo de quem precisa sempre encontrar um bode espiatório para situações como esta!
Não vale acusar instituições que trabalham com jovens problemáticos (muitas vezes em condições dificeis e literalmente em espirito de missão!)e que não funcionam em regime de correcção!( sim porque este tipo de instituição está a acabar!)
Deem-nos um pouco mais de crédito meus senhores!
Desculpem mas irrita-me esta cena de que a culpa está nas instituições que não controlam os menores... venham para aqui trabalhar e dar o litro e depois conversamos!

 
At 6:01 da tarde, Anonymous Anónimo said...

PORTUGAL, um país do 3o MUNDO ?!? k ideia ...

 
At 7:31 da tarde, Anonymous zirze_avr said...

"A estupidez, a intolerãncia, a impunidade, a incompetência crescem, todos os dias".
Não podia estar mais de acordo.`
É o país que temos...

 
At 7:53 da tarde, Anonymous Anónimo said...

sonhoazul tocou num ponto mt importante. Eu tb conheço um caso assim, mais grave porque a privação passa tb por ver irmãos de outro casamento.E assim se criam crianças revoltadas; era fácil os tribunais proibirem pais de se assumirem como donos dos filhos!Há tanta coisa errada, que qd culpamos crianças pensamos o que correu mal na sua formação?!É que se nos tribunais não se atende a quem pode melhor educar as crianças mas sim se é pai ou mãe,como podemos esperar que tenhamos instituições boas o suficiente para substituir familias disfuncionais...

 
At 7:55 da tarde, Anonymous Cris said...

Sou funcionária judicial e, embora não tenha esta profissão há muitos anos, o conhecimento que tenho dos tribunais, permite-me dizer que não acredito minimamente na justiça.
Enquanto se continuar a desculpabilizar acções deste gravidade, encontrando culpados na sociedade ou nas instituições de acolhimento, vamos mal, muito mal mesmo.
Quando estes "meninos" estão supostamente integrados numa família e têm este tipo de comportamento, também se vai a correr culpar os pais?
Será possível que não tenham o mínimo de consciência dos actos de selvajaria que praticam? Brincadeira de mau gosto?
Queriam saber como era um homem com mamas?
Isto é inconcebível.

 
At 8:58 da tarde, Blogger Ze do Telhado said...

Não se trata de homofobia, trata-se de ausência de justiça. Há que não confundir. Estamos perante vários "jovens" assassinos que se vão aproveitando das grandes lacunas do "sistema". O juiz pouco mais poderia fazer. Urge o tempo de mudar profundamente o sistema político vigente. Só assim se resolverão os problemas estruturais da justiça, segurança, etc.
Uma sociedade que despreza os seus jovens despreza o futuro da própria Nação.

 
At 9:09 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Olá Pedro, desculpa se está fora do contexto, mas quero te dizer que sou um grande fã teu. Já á que tempos que leio assiduamente este teu cantinho, apesar de nunca comentar...viste ontem o E.R na dois? Bem, mas que episodio, eu tambem sou fã da serie mas, ontem tocou-me, pois percebo bem a luta contra o cancro (eu venci um á pouco tempo), mas o que me tocou mais é que, se a doença volta-se como no caso do Dr.Mark, teria a mesma reacçao q ele "morrer como tenho vivido".
Bom não te bato mais com este assunto, quanto aos putos que fizeram aquele horrendo acto, eu nao sei mas a atitude da justiça em Portugal quanto a esses, err menores, é a mesma que a do SHREK para com o gato das botas, quando este faz aqueles olhinhos clemenciosos. E assim esta historia termina...e então,os "meninos" que coitadinhos, não sabiam o que faziam , levaram uma pena leve e viveram felizes para sempre.
Definitivamente não é uma historia com um final feliz!!

 
At 9:13 da tarde, Blogger Šonђo Ažu£ said...

Só para completar o meu primeiro comentário.
A mãe dos meus sobrinhos já foi uma vez acusada de incumprimento do poder paternal e inclusive teve de pagar uma indemnização ao menor.
Mas dois meses depois conseguiu dar a volta àquilo tudo e as coisas voltaram exactamente ao ponto inicial.
Os meses passam, as crianças crescem longe de quem lhes quer bem e que são a própria familia!
O tribunal parece "ignorar" toda e qualquer comunicação que o meu irmão faça!
A mãe vale tudo, então não percebo porque já a condenaram uma vez a pagar ao próprio filho, por alegarem que tanto o queria proteger que o prejudicou. E estes meses de ausência? Não os estará a prejudicar muito mais?

O tempo não volta atrás e o crescimento dos meus meninos não pára! E perde-se assim o melhor das crianças!

Desculpem o desabafo, mas sempre que falo deste assunto me revolto e muito.
A sorte da minha ex cunhada é viver a 300km de mim, se não a história cantava de outro modo.
Justiça? Bem podemos esperar sentados!

 
At 9:34 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Pois é assim a justiça(?) no nosso belo Portugal,e mesmo as instituições muitas vezes é que criam a revolta dentro deles ao os esplorarem até não puderem mais, apesar de aqui não ser o caso.
Mas sei de um caso que é apoiado pelo Inst Reenserção social e do Inst. Emprego em que o programa são 4 anos e não tens direito a subsidio de ferias ou Natal ou 13 mês e ganhas o ordenado minimo o que segundo o codigo de trabalho é ILEGAL mas como é 1 programa do estado os desgraçados que "caiem" nele vão reclamar a quem!!! eu a isto não chamo reencerção mas sim EXPLORAÇÃO

 
At 9:48 da tarde, Blogger Mac said...

Concordo contigo Pedro mas não podemos esquecer que o Tribunal apenas pode aplicar as penas que o Legislador definiu para este tipo de crime e com estas idades.O Legislador,figura que imagino cinzenta e com cheiro a bafio,entende que há sempre esperança para a reabilitação de menores neste jardim à beira mar plantado. O problema é que ele ainda não percebeu que de jardim isto já tem muito pouco!!!

 
At 9:49 da tarde, Anonymous Rui L. said...

Vamos ter atenção a uma coisa:
Se a Lei diz que menores de 16 anos só podem sofrer penas de internamento ou de acompanhento por equipas de reinserção social, expliquem-me lá como é que o Juiz podia aplicar penas de prisão efectiva?
Podem é quanto muito criticar a Lei, que deveria ser mais dura, que a inimputalibidade devia ser apenas para crianças até aos 12 anos de idade por exemplo.
PS: quanto às pessoas que gostariam de ver miudos de 6 ou 7 anos nas cadeias, que tal transformar o Portugal dos pequeninos numa cadeia para os putos de palmo e meio?

 
At 11:23 da tarde, Anonymous Stressada said...

Mas ainda há duvidas acerca da justiça que se pratica em no nosso pais!? Ainda há mesmo?

Coitadinhos dos meninos que matam e esfolam e roubam e maltratam... tiveram uma infancia dificil, provavelmente tambem foram maltratados e abandonados...

Essas pessoas (que não sei se serão gente!) vão crescer e continuar a afundar-se no charco que tem estado a criar... e mais... vão fazer filhos e arrasta-los com eles. É triste mas é a verdade... tudo é ciclico e os abusos e maus tratos não são excepção, assim como os actos que se cometem em função/ou apesar disso...

Viva portugal - Pais de Brandos Costumes como dizia a outra...

 
At 2:44 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Como, e muito bem já vi aqui escrito, o problema está na lei de base.
Como diria a Sra do jardim zoológico, para quando uma lei que obrigue os politicos a serem respossabilizados pelas asneira cometidas pelos seus subalternos, e que ponham o c... no banco dos réus.
Afinal depois já iam saber como é que elas lhe mordiam.
Não estará na hora de obrigarmos esta cambada a ser responsavél?
Depois de isto tudo, a resposta é:
NÂO PORQUE ESTE É O SR: XPTO, O TAL DITO CUJO.
Hasta la vista
PN

 
At 2:47 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Só mais uma coisa sobre o titúlo, não é, Que tristeza, mas sim uma pouca vergonha!!!
Hasta la vista
Pn

 
At 9:55 da manhã, Blogger  said...

Boas
Aliado a falta de profissionalismo em todas as áreas da sociedade este pais é , e sempre será muito MAU , houve um dia alguém que disse :
"- Fizemos tudo mal mas correu tudo bem !"

Afinal a América não têm tudo mau , o sistema deles funciona e para casos destes , a pena é das melhores ! isso não se faz mem a um cão !

 
At 11:26 da manhã, Blogger Tertúlia said...

O que aconteceu à Gisberta foi uma infeliz coincidência: se não estivesse doente, o desenlace era outro, confiem em mim!
A cadeia também não era o melhor sítio para os putos: ainda iriam aprender mais coisas...
Mas alguém devia ter mãos neles.
É a nossa sociedade actual que não permite que se dê uma estalada aos filhos, mas sim que lhes dêm todos os bens que eles querem e mais algum...
Esta nova geração vai acabar de vez com Portugal!

 
At 3:18 da tarde, Blogger Ze do Telhado said...

"Esta nova geração vai acabar de vez com Portugal! "
Crimes cometidos por jovens sempre houve. Quem está a acabar com Portugal não são os jovens, mas sim os políticos não só nacionais como europeus. Os jovens, felizmente, são a única esperança para Portugal.

 
At 3:41 da tarde, Blogger Tertúlia said...

Falamos daqui a 20 anos, quando os jovens de agora estiverem a ocupar lugares de chefia...
Só espero estar mesmo enganada!

 
At 4:48 da tarde, Anonymous Lélia Madeira said...

Para mim, a culpa não é dos políticos, nem dos pais, nem das instituições. A culpa é de todos nós. Olhamos muito pouco para os outros. E quando situações como estas acontecem, limitamo-nos a arranjar culpados, como se isso fosse resolver o problema...Cabe a cada um de nós contribuir para que casos como os de Gisberta não se repitam. Concerteza que muitas pessoas passaram por ela (ou ele, é indiferente) e nada fizeram. Assobiaram para o lado. Se alguém lhe tivesse dado a mão, provavelmente a Gisberta ainda estaria por cá...

 

Enviar um comentário

<< Home