domingo, julho 30, 2006

E no entanto..

Vi agora na BBC um senhor, 72 anos, israelita originário da Polónia. Vive em Telavive. Já perdeu 16 familiares em atentados terroristas em várias cidades de Israel.
16. Incluindo a mulher, e todos os 6 filhos. Pergunta-lhe a reporter se ele tem seguido as noticias com atenção e se de alguma maneira sente que Israel está a fazer justiça face a tantas vitimas que somou ao longo dos anos de terrorismo no seu território. A resposta, vinda de quem vem, é absolutamente desconcertante:
- Não tenho ilusões. Isto só se resolve quando morrermos todos. Nós e eles. A minha familia não volta mais. Não tenho ilusões. Só quando toda a gente morrer.
De facto não há o bem e o mal nesta história. Só há violência, tristeza e depois a mais definitiva forma de falta de esperança: o desprendimento total perante a loucura.

15 Comments:

At 9:39 da tarde, Blogger Fuadass said...

o homem tem razao, ha pessoas de ambos os lados que continuam a pagar violencia com mais violencio, e isso e um circulo infinito

 
At 9:41 da tarde, Blogger Psipsina said...

"A naturalidade é um acidente, a nacionalidade um artifício.(...) Sempre existiram línguas e religiões mas nem sempre existiram países. Parece-me incrivelmente estúpido que alguem mate em nome de um deus ou de um determinado conjunto de referências culturais; mais estúpido, porém, é matar em nome de uma linha preta assinalada num mapa.
Quando era menina ia à igreja com a minha avó materna e ia à mesquita com o meu avô paterno. Vi que o mistério era o mesmo. Vi que era o mesmo assombro diante da imensidão. O que difere é a liturgia. Esqueci a liturgia e fiquei com o mistério. quando me dói a alma ergo os olhos para o céu, não à procura de Deus, somente em busca de um pouco de luz e de um azul mais critalino.
O que me sustenta é a beleza. Rezo ao deserto para que continue a receber-me; rezo ao mar, e em especial ao grande e sereno Oceano Índico, para que não deixe nunca de me consolar com a sua voz de espuma; rezo às papaias pela sua carne e às goiabas pelo seu perfume.
Rezo ao deus indiferente dos gatos porque os fez magníficos e ao das baleias e das vacas pela sua mansidão. Sou mulher: rezo a tudo o que floresce e frutifica. Nada que cante ou que dance me é indiferente. Nada que fira ou destrua me é semelhante."
Faíza Hayat

 
At 10:27 da tarde, Blogger PCF said...

:)

 
At 11:09 da tarde, Blogger Eu said...

infelizmente, e ironicamente, já só parece ser essa a unica saída para a "paz"
contudo, eu continuo a achar q mmo sem israel, o medio oriente nunca seria uma área sem "danos colaterais"porque o q é mmo preciso destuir é o fundamentalismo, tenha ele a pátria que tiver, e por ali há muitas pátrias e "semi-pátrias" q o acolhem e engordam (tantas e tantas vezes à custa do emagrecimento daqueles a quem deveriam realmente encher o estomago)

 
At 12:05 da manhã, Blogger SCS said...

Afinal para fazer uma guerra hoje em dia são necessários dois itens fundamentais: território isolado e espectadores sedentos.

Essencialmente ‘quando morrermos todos’: economicistas em delírios, cães de caça em desespero e voyeur’s sem conduta ou limite. Não podia concordar mais com o Senhor que falou na BBC.

 
At 2:21 da manhã, Anonymous Francisco Catarino said...

È verdade,so mesmo passando e sentindo na pele o que é perder 16 familiares é que se sabe.Fico mesmo triste por este mundo estar no modo que esta,guerras atras de guerras,inocentes a morrerem dia apos dia,enfim nao sei onde tudo isto irá parar..

 
At 10:00 da manhã, Blogger Minerva McGonagall said...

Concordo com o homem. E nem imagino o que deve ser perder tanta família de uma forma tão estúpida...

 
At 10:52 da manhã, Blogger O Casulo said...

nem vale apena comentar..
a última frase do homem diz tudo.
enfim..

 
At 10:59 da manhã, Blogger Nelson Santos said...

O curioso é que, enquanto isto tudo decorre, por cá, e à falta de Mundial ou de novas contratações do mundo do Futebol (a avaliar pela capa do Record chegou um novo hoje, para o clube da Luz, um tal de Simão) entretemo-nos numa espécie de jogo cada vez mais patético em que parece não existir comentador político, blogger ou mesmo jornalista que não apoie à exaustão as razões de um dos lados. Ora são os pró-israelitas que dizem que o Hezbollah é o único culpado desta e de todas as outras situações deste tipo, ora são os pró-Hezbollah que afirmam que a política Israelita é a culpada de todos os males e mais algum. Não há hipótese, segundo esta gente, de qualquer um de nós ficar neutro neste conflito, em termos de "apoiar" um ou outro lado. Somos obrigados a escolher "de que lado estamos"!

Será mesmo possível tomar partido num conflito em que, de um lado e do outro, existem animais que matam crianças e velhos, homens e mulheres inocentes, seja com um bombardeamento em Canã ou com um homem-bomba num autocarro em Jerusalém? Não me parece!

 
At 11:51 da manhã, Anonymous Olinda said...

Já tinha pensado nisso, mata-se essa gente toda e acaba-se com aquela zona do mundo, aquelas religiões e aquelas riquezas/pobrezas, aquelas guerrilhas, acaba-se com os Bushes.... acaba-se com a Europa e a America, a China e a Asia... Acaba a Guerra.....
Ah acaba-se com as paredes(sanitas e sei lá mais o que) de ouro da igreja catolica....

 
At 12:53 da tarde, Blogger anamoris said...

São séculos de violência com a desculpa da religião. É a espécie humana, que mostra o quanto se parece com as formigas.
Vim aqui parar por causa da Ana do Blogantes, mas sou tua ouvinte desde a pré-história. obrigada

 
At 1:08 da tarde, Anonymous marianna :) said...

o ser humano é uma aberração da natureza...

:s

 
At 9:58 da tarde, Blogger Just a blog said...

Penso que ali infelizmente tem razão só a morte pode resolver tal é o ódio que tem sido alimentado ao longo de várias dezenas de anos, até os jovens nutrem um ódio de morte entre eles

 
At 9:58 da tarde, Blogger trinta_paus said...

Se viesse um tsunami e arrasasse com aquela zona como fez em Sumatra e afins, eu queria ver qual era a religião deles. Eu queria ver a quem é que eles ia pedir ajuda. Infelizmente os primeiros a tombar são sempre os que menos culpa têm.

 
At 1:08 da manhã, Anonymous Gonçalves said...

É pena, por um lado ver tanta gente a lutar e por outro esse "desprendimento". Deixa-me a pensar... para que lutar? Há uma pessoa que o faz todos os dias e dá a cara por uma luta. Será que ao ver o Mundo neste estado mantém esta força?

Passem por lá e admirem a luta desta mulher.
http://graozinhosdeareia.blogspot.com

Cumprimentos
Gonçalves

 

Enviar um comentário

<< Home