segunda-feira, agosto 20, 2007

Ser mamã.

Uma amiga minha escreveu um texto, que eu achei muito bonito, sobre como é ser mulher e não sentir especialmente o apelo da maternidade. É honesto e acho que não torna nenhuma mulher menos mulher por isso.
Mas a avaliar por um comentário que lá está...confirmo que há, infelizmente, muita intolerância e muita arrogância tonta à solta no mundo.

16 Comments:

At 11:30 da manhã, Blogger Jedi Master Atomic said...

Já respondi ao tal comentário arrogante.

 
At 12:59 da tarde, Blogger Ana Raquel said...

É triste que sejamos criticados, julgados e apontados quando apenas pensamos, sentimos e vemos as situações de forma diferente e afinal estamos a ser nós próprios...
Bj*

 
At 1:09 da tarde, Blogger emvooplanado said...

Fui lá ler e fiquei assim a modos que atónito, escrevi lá o que me parece, e não me parece nada bem catalogar as pessoas por decisões pessoais. Bom senso precisa-se, é urgente.

 
At 2:03 da tarde, Blogger blimunda sete luas said...

Nem sei que diga... Obrigada, parece ser o mais apropriado. Beijinhos.

 
At 4:21 da tarde, Blogger fantasma said...

Porque é que temos de ter tanto respeito por quem decide ser mãe, e desprezamos que não o quer ser?
Obrigada P pelo link :)

 
At 4:41 da tarde, Blogger Diz-me said...

Obrigada Pedro pelo link. 1 post que me chegou às entranhas, independentemente da minha postura sobre o ser mãe . :)

 
At 6:22 da tarde, Blogger Pedro said...

As pessoas que são de extremo(s), arriscam-se a bater de frente com as do outro extremo. Foi isso que aconteceu à tua amiga.
E extremos são extremos, em minha opinião, não há uns melhores que outros.

 
At 8:34 da tarde, Blogger Mike said...

Fui ler e decidi fazer copy&past para o e-mail e reenviá-lo a uma amiga. Aqui fica o meu comentário que escrevi no e-mail que enviei:

Ora aqui está um post polémico de uma mulher que tem uma visão que não pode ser censurada.

Quer se concorde ou não (por acaso concordo plenamente!), é legítimo ter-se opinião, nem que seja diferente da maioria!

Quando tiveres tempo, lê.

Resta dizer que ela também concordou com a visão exposta.

 
At 9:31 da tarde, Blogger jbs said...

Já comentei... Grande volta que dei para lá chegar, da Tertúlia aqui, daqui ao belo post da Blimunda... :)

 
At 10:12 da tarde, Blogger Just a blog said...

É assim sempre fomos e comtinuamos a ser um povo de brandos costumes em que ainda hoje continuam a achar que a mulher é para procriar e outras coisas, eu pessoalmente perfiro pessoas assim honestas porque sei e conheço pessoas que o apelo da natalidade não lhes diz nada e conforme casos que por ai vemos e outras vezes assistimos nos telejornais existe pessoas que mais valia não serem mães ou pais.
Por isso o meu aplauso para a sua honestidade e o meu total desprezo pela arrogancia e falta de senso desse comentário.

 
At 10:12 da tarde, Blogger Karlotta said...

Desculpa Pedro, mas se respeito a vontade de n�o ser m�e tamb�m tenho o direito que n�o fa�am juizos de valor sobre o facto de optar pela maternidade. Uma mulher vale por si s� e n�o pelo facto de ser ou n�o ser m�e. Porque � que uma m�e se constroi muito pouco? S� se quiser e se se anular como individuo. Acima de tudo exige-se tolerancia, pelo sim e pelo n�o.

 
At 12:32 da manhã, Blogger Cátia said...

Não acho que ser mãe seja incompatível com o investimento pessoal da mulher em si mesma. Uma mãe não é mãe sozinha, né? (Na maior parte das x).

Isto lembra-me um bocado a polémica do aborto, do sim ou não. Estamos tão agarrados às nossas convicções que a intolerância trepa por nós acima:P

 
At 11:08 da manhã, Blogger Ri said...

"acho que a minha própria existência, mesmo sem filhos, faz todo o sentido só por si"

Desculpa Pedro, mas não consigo deixar de achar aquele texto o cúmulo do egoísmo.
Não quero ser extremista, mas faz-me realmente confusão uma mulher por-se a si própria à frente de qualquer coisa que implique dar um pouco de si, do seu tempo, do seu amor.
Tenho imensa pena mesmo.

 
At 11:27 da manhã, Blogger SoNosCredita said...

há-de haver sempre...

 
At 12:48 da tarde, Blogger Psychic said...

é Triste quando se critica o que os outros sentem e querem da sua vida. Ainda mais triste quando são homens a criticar decisões da mulheres, decisões que eles nunca vão ter de tomar, sobre situações que eles nunca vão ter de passar...

 
At 2:39 da tarde, Blogger mãe de dois said...

Já deixei o meu comentário no blog da blimunda. Mas também queria aqui deixar a minha opinião. A maternidade é uma opção de vida que cada mulher tem a legitimidade de escolha, não tendo de justificar nenhuma delas. Não posso concordar é que se critique o que não se tem conhecimento de causa. Foi muito insolente o facto de comentar a vida das mulheres mães, chegando a adjectiva-las de frustradas, quando não tem a minima ideia do que está a falar. Não me parece que se possa exigir respeito sobre as nossas opções quando não se tem pelas dos outros.

 

Enviar um comentário

<< Home