segunda-feira, abril 10, 2006

A falta.

Estranho como o facto de esquecer-me do telemóvel em casa me tráz esta sensação de falta. Este incómodo, como uma impressão desconfortável. Antigamente, quando não havia telemóveis, estava tudo bem na mesma, todos os dias.
E quando eles apareceram resisti imenso a ter um, ainda levei o meu tempo a render-me. Primeiro era só por graça, depois passou a ser uma depêndencia.
Hoje ficou em casa, em off. E eu assim, incomodado. E incomunicado, como dizia uma cantiga.

8 Comments:

At 7:36 da manhã, Anonymous joana said...

em off, menos mau...ao menos não passa o ia em piriris lá por casa :) aproveita o sossego!***

 
At 8:40 da manhã, Blogger JN said...

já deixei o meu durante uma semana desligado. Quando o voltei a ligar só tinha 1 mensagem de pouco valor... acho que passo bem sem o telomovel ...

 
At 8:57 da manhã, Blogger BlueAngel said...

Curioso, ontem aconteceu-me por duas vezes deixar o tm esquecido (em casa e no carro) e o que ao princípio me pareceu desconfortável, como se faltasse uma parte de mim, deu lugar a um esquecimento natural. Dad duas vezes quando voltei a pegar no tm não tinha qualquer mensagem. E a mim soube-me bem, soube-me até muito bem estar incontactável. Mas isso eu só percebi depois. :-) Realmente, pensar que já vivemos sem esse objecto durante tantos anos e nunca achámos estranho estar incontactáveis. Mudam-se os tempos...

 
At 9:31 da manhã, Blogger Cruxe said...

As tecnologias só são indispensáveis depois de as experimentarmos :)

Claro que eu antes de ter um telemóvel pensava muitas vezes que se tivesse um não precisava estar na fila para ligar da cabine telefónica. Mas poucas vezes dei pela falta dele.

Hoje quase entro em panico se fico sem bateria ou se me esqueço dele em casa. Acontece-me o mesmo quando a minha mulher se esquece dele e eu preciso contacta-la urgentemente, ou quando ligo para um amigo e tem o telemovel desligado...

Enfim... malditas tecnologias.

 
At 10:24 da manhã, Anonymous Anónimo said...

eu ainda resisto sem telemoveis nao tenho um e vou resistir até nao ter

 
At 4:35 da tarde, Anonymous Joaninha said...

Quantos vezes... quantas vezes decido desligar o telemóvel, só pelo simples prazer de estar incontactável, de estar longe de eventuais problemas de que alguém me possa dar conta do outro lado, de querer apagar preocupações e algumas ansiedades por se esperar uma chamada ou uma mensagem de alguém importante...

Mas a verdade é que, quando me esqueço dele em casa, vivo num estado de ansiedade tremendo, pensando sempre que alguém pode ter ligado a informar-me de alguma coisa má ou muito boa que tenha acontecido, e que possa afectar a minha vida ou a dos outros.

É uma "panca", eu sei, mas não consigo evitar...


[p.s - não é "trás", é "traz". Desculpa-me qualquer coisinha, mas tenho este defeito: os erros saltam-me logo à vista, é uma espécie de comichão psicológica :) ]

 
At 4:38 da tarde, Anonymous Joaninha said...

Tá giro, tá...

Agora emendo o MEU erro (ou melhor, gralha):
- "quantAs vezes..."

Sou a distracção em pessoa... sorry ;)

 
At 7:19 da manhã, Blogger P said...

Joaninha, tens razão. Obrigado. :-)

 

Enviar um comentário

<< Home